Jovem, a escola e o saber

Jovem, a escola e o saber

Hoje o ensino brasileiro existe uma realidade preocupante, por isso e necessita maior atenção do Governo Federal.

A baixa qualidade de ensino e inadequação da escola ao contexto atual, contribuem para o abandono de jovem as escolas. Podemos citar também as condições de trabalho desfavoráveis e incompatíveis dadas aos professores. Estes são fatores presentes principalmente no ensino público, que contribuem diretamente, para a falta de disciplina e grande desinteresse por parte dos alunos com o aprendizado.

A relação aluno professor esta cada vez mais conflituosa e que consequentemente influencia diretamente no saber escolar. O que podemos perceber é que existe uma frustração dos dois lados, onde os professores não conseguem ensinar e os alunos sentem que a escola não dá suporte suficiente para a inserção do aluno no mercado de trabalho.

Nós e os Extra Terrestres (Ets): o que ensinar a quem não sabe?

Imagine se você um dia encontrasse um Et em sua casa, o que você acharia importante ensiná-lo, o que ele poderia aprender? O que valeria a pena ele aprender?

Isso foi dito em um trabalho de oficinas para os jovens de escola pública de São Paulo, pedimos a eles que conversassem sobre o que seria importante ensinar a esse Et, e como eles faria isso. Em primeiro lugar o que chama atenção é o grande número de referências a uns saberes práticos, que podem ser subdivididos em atividades que dizem a respeito á comunicação, socialização ler escrever, namorar etc.

Ao lazer: divertir-se, praticar esportes. Aos afazeres do dia a dia como dirigir e filmar etc. Aos cuidados pessoais: tomar banho, alimentação etc.

Observa se o reconhecimento dos jovens de saber como é importantes as atividades do dia a dia da existência humana. Os saberes listados e no jeito que diz sobre eles insinua-se a voz do que poderíamos chamar de “ensinamentos familiares”, isso é importante visível no caso dos cuidados especiais, nos quais no entanto também claro o discurso da escola, programas de saúde, educação sexual etc., aparece com clareza a uma referencias a importância de introduzir o Et no espaço escolar e no convívio da família e de amigos.

O Segundo conjunto de saberes levantado pelos jovens é composto por saberes de natureza ético moral.

Assim pretende ensinar o Et a ter educação, ser bom, gentil e saber o que é bom e o que é ruim.

A terceira categoria diz respeito aos saberem teóricos ou intelectuais.

Os lugares onde os Et deveriam freqüentar seria o grupo de famílias e de amigos, o shopping, o centro da cidade, esses seria o espaço onde ele entraria em contato com os saberes práticos e os saberes de natureza ético moral.

Nesta pesquisa, pedimos aos jovens que escrevessem um texto, uma espécie de balanço geral de prestação de contas em que a aproximação entre aprender e viver, permitia ao jovem avaliar os saberes aprendidos na sua história de vida.assim os jovens criaram textos que falavam deles mesmos e de situações que envolvem o seu dia a dia.

O saber: histórias e lições

O segundo tipo de escrita do saber, diz das tarefas do dia a dia, mas se refere quase que exclusivamente ás questões do espaço familiar. Os jovens mencionam como conhecimentos mais importantes um conjuntos de valores: respeito, solidariedade etc., aprendidos com os pais e pessoas mais próximas que foram impostos como deveres. Tais valores aparecem nos textos de duas formas: primeiro as obrigações impostas pelos mais velhos e isso mostra a moral a que são submetidos as regras e as leis que eles obedecem, e do outro lado ele vêem esses valores como se fossem um ideal a ser seguido.

Em resumo os textos formados pelos jovens tratam da diferencia entre o bem e o mal. É importante ressaltar que, os saberes relacionados a escola são poucos mencionados, ou são de forma indireta.

E assim nas respostas dos jovens eles não só aceitam os saberes, mas consideram verdadeiros os saberes a que ele dizem nos textos e ao fazerem dessa forma, eles se tornam sujeitos éticos, pois acham que o que aprende é bom para si próprios.

Podemos concluir que a escola não exerce somente o papel de aprendizagem e socialização, mas também é um espaço em que o os alunos vivenciam várias experiências cognitivas, sociais e afetivas.

2019-01-26T16:46:08-02:00
Neuropsicóloga - CRP: 04/32975 Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Deixe uma resposta