O papél do Psicólogo nas Instituições de ensino especial

   O PAPEL DO PSICOLOGO NAS INSTIUIÇÕES DE ENSINO ESPECIAL

                         Qual o papel do Psicólogo nesta instituição

Karina Santana

Resumo

Hoje quando falamos de uma criança com Doença Mental ou que apresenta algum déficit na capacidade intelectual psicomotora. Estamos falando de um sujeito desejante. Um dos papeis do Psicólogo na Instituição de Ensino Especial, é construir com os pais e Instituição escolar um lugar para esta criança, pois muitos pais não sabem a fundo o qual tipo de deficiência que sua criança e a Instituição escolar muitas vezes transferem o fracasso escolar para a criança, não considerando sua responsabilidade no desempenho de programas pedagógicos adequados a essa criança.

Palavras – chave: Ensino, deficiência, responsabilidade.

  • Introdução

Este artigo tem o objetivo de abordar o papel do Psicólogo na instituição escolar e qual a contribuição que a Psicologia traz para estas Instituições e quais as intervenções adequadas para os alunos do ensino especial. Este presente artigo foi desenvolvido através de um estágio desenvolvido durante o primeiro semestre de 2009, na Escola Estadual Sandra Risoleta de Lima Hauck.

  • Desenvolvimento

O desenvolvimento de uma criança com deficiência mental passa por muitas dificuldades. Além das dificuldades fisiológicas, existem as dificuldades sociais. Quando a mãe dá a luz a uma criança com deficiência mental a mesma passa por varias dificuldades, tanto na própria aceitação de um filho “deficiente”, quanto as barreiras que são colocadas pelos preconceitos da sociedade para que este filho possa potencializar suas habilidade e mesmo com suas deficiências desenvolver e aprender.

Françoise Dolto (1993) mostra em sua literatura, uma criança com Síndrome de Down, a que a mãe disse, desde os primeiros dias, que chorava muito porque ela tinha esta síndrome e por isso era diferente das outras crianças. De acordo com Dolto, os pais ao dizerem isso, relatam que o rosto desta criança se iluminara com um sorriso. A partir daí eles se sentiram encorajados a lhe dizer, cada vez que ela fracassava em alguma ação, que isso se devia a estas dificuldades, mas que ela podia fazer a mãe ou pai descobrir o que era necessário para ajudá-la. Françoise Dolto destaca que esta intervenção foi suficiente para que este criança se desenvolvesse de forma mais ativa, vivaz e dinâmica, aproveitando ao máximo seu potencial intelectual. Porem nem sempre os pais tem esse tipo de atitude.

O papel da criança com Doença mental ainda tem que ser melhor construído em nossa sociedade, pois de acordo com o senso comum são consideradas “crianças retardadas”, sem potencialidades e incapazes de construir uma vida social.

Para uma melhor intervenção e contribuição da Psicologia nas instituições de ensino especial, deve haver uma maior abrangência nos assuntos e nas peculiaridades do ambiente escolar.

Cintia Copit Freller (2004) aborda esta problemática, destacando que hoje em dia nos atendimentos psicológicos e na pratica de Psicodiagnóstico os profissionais do campo da Psicologia conduzem o tratamento e a analise desta criança levando em consideração somente suas relações familiares, seu inconsciente e as deficiências. Não levando em consideração o contexto escolar e suas peculiaridades, como relacionamento com seus colegas, método de ensino, estrutura da escola, entre outros. Nestes casos estes profissionais somente se atem a queixa escolar. Este padrão de atendimento tem sido considerado insatisfatório pelas crianças, pais, professores e até mesmo pelos próprios psicólogos que a praticam.

O contexto escolar é fundamental para o desenvolvimento das crianças. O ambiente escolar deve ser propicio para o aprendizado e estimular as relações das crianças propiciando a inclusão deste aluno no ambiente escolar. O papel do Psicólogo frente a queixa de uma criança com dificuldade escolar é integrar todas as informações necessárias da historia de vida desta criança, contexto familiar e analisar e acompanhar todo o contexto escolar para ter uma analise e Diagnostico fidedigno e propor alternativas de mudanças até mesmo na própria escola, alem do trabalho desenvolvido com a família e criança.

 “A doença mental é do âmbito do sujeito do inconsciente, e precisa ser tratado como tal; os problemas de aprendizagem são, na sua maioria, problemas no seu funcionamento egóico, e portando determinados pelas relações vividas pelas crianças no interior da instituição escolar” Kupfer (1992). 

Neste trecho citado acima, podemos perceber o quão importante a realidade escolar é importante na vida destas crianças. Hoje a criança é encaminhada para uma instituição de ensino especial, pois não conseguiu se adequar aos padrões propostos pela instituição e pela sociedade. Isto remete que o Psicólogo esta exercendo uma trabalha adaptativo e discriminatório, pois as crianças que tem dificuldades no desenvolvimento escolar ou possuem algum tipo de deficiência deve ser encaminhada para uma instituição onde possa ter um acompanhamento especial. Porem muitas vezes quando a realidade escolar não é bem explorada além de não estar sendo feito um encaminhamento desnecessário, isto afeta diretamente a auto-estima desta criança, pois direciona todos os problemas para ela, isentando a escola de qualquer responsabilidade de suas dificuldades e estigmatizando a mesma e a prejudicando em seu desenvolvimento social. Existe hoje em dia todo um discurso pró-inclusão, porem estas crianças ainda sofrem com o preconceito pelo estigma e pela diferença.

A escola é responsável em propiciar as crianças um ambiente de crescimento, desenvolvimento e aprendizagem. O papel do Psicólogo é contribuir para que a escola propicie momentos de subjetivação, atividades para um melhor desenvolvimento psicomotor, atividades cognitivas, para que este indivíduo possa desenvolver ao máximo de acordo com suas potencialidades.

Na escola Estadual Sandra Risoleta Haukc onde tivemos a oportunidade de conhecer a rotina da instituição, o método de trabalho dos funcionários, método pedagógico utilizado pelos professores e principalmente vivenciar e questionar qual o papel do Psicólogo na Instituição. O trabalho desenvolvido por essa instituição e muito produtivo, pois oferece aos alunos um ambiente totalmente propicio para o aprendizado. Esta escola dispõe de uma boa estrutura física, dispõe de Pedagoga, Psicólogos, Fonoaudióloga, Terapeuta Ocupacional, sala de computação, acompanhamento familiar e principalmente professores preparados para atender as necessidades das crianças. Fizemos uma observação mais aprofundada na Sala das Crianças de sete anos, onde tivemos um maior contato com a professora M. Esta professora trabalha na APAE no turno da manhã e é notável a forma de condução de sua turma. A professora M, além de estimular os movimentos psicomotores das crianças, estimula sua cognição mostrando de forma pedagógica todos os brinquedos e materiais de sala e trabalhando a parte lúdica onde toda quarta-feira existe a “ hora social”. Na Hora social estas crianças participam de teatro e oficinas de grupo.

Podemos perceber durante o período em que estivemos na escola o envolvimento dos Psicólogos com o ambiente e a dinâmica escolar. É notável que esta abordagem não focando somente na família e nas dificuldades apresentadas pela criança, mas também incluído a escola com um pilar importante na vida e desenvolvimento deste sujeito como o trabalho é muito mais produtivo e assertivo. Além de contribuir para os processos de subjetivação do sujeito e suas potencialidades estes psicólogos podem contribuem para um maior reconhecimento destas crianças e trazer uma olhar diferente sobre a abordagem pedagógica, incluído a responsabilidade também para a escola, pois nesta dinâmica não somente as crianças têm que estar em constante movimento, mas a instituição também.

  • Considerações Finais

Podemos que concluir que no processo de formação do Psicólogo existe uma valorização do reconhecimento do sujeito e suas peculiaridades, como seus próprios desejos e suas relações em seus primeiros anos de vida. Porem quando abordamos o campo da Psicologia na Instituição escolar, devemos abordar toda a dinâmica escolar, método pedagógico, infra-estrutura e todo seu contexto.

Esta experiência de estagio foi muito produtiva, pois contribuiu diretamente para a profissional que estou me tornando. Através campo Educacional a Psicologia pode contribuir diretamente para a inclusão do sujeito e contribuindo para uma maior adequação das instituições escolares as necessidades das crianças.

A resposta para a pergunta que intitula este trabalho é: Se eu fosse profissional contratado por esta instituição, eu traria mais brinquedos pedagógicos adequados e faria um trabalho conjunto com a família, trazendo, por exemplo, para a “hora social”. Fazendo com que a escola e a família participassem de forma mais ativa da vida escolar da criança.

Abstract

Today when we speak of a child with Insanity or that it presents some deficit in the psicomotora intellectual capacity. We are speaking of a desejante citizen. One of the papers of the Psychologist in the Institution of Special Education, is to construct with the parents and pertaining to school Institution a place for this child, therefore many parents do not know the deep one which type of deficiency that its child and the pertaining to school Institution many times transfers the failure pertaining to school to the child, not considering its responsibility in the performance of pedagogical programs adjusted this child.

Keywords: Education, deficiency, responsibility.

Referencias Bibliográficas

Bueno,J.G.S.Educação especial Brasileira: Integração/ segregação do aluno diferente.São Paulo: Educ 2004.

MACHADO, A.M. e Souza, M.P.R. ( Orgs). Psicologia Escolar: em busca de novos rumos.São Paulo: Casa do Psicólogo 2004.

MANNONI. Maud. A criança retardada e a mãe. Martins Fontes. São Paulo 1999.

MEIRA, M.E. e ANTUNES,M.A.M.(orgs). Psicologia Escolar: Teorias Críticas. São Paulo: Casa do Psicologo. 2003.

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Projeto Incluir. Caderno de textos para a formação de professores de Rede Pública de Ensino de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2006. P.8-19.

VELOSO, Patricia. PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL: Pratica clinica escolar. “ Seção III: A contribuição de Françoise Dolto. Centro de Estudos da Relação Psicomotora. Rio de Janeiro 1993.

2018-10-01T09:51:10-03:00
Neuropsicóloga - CRP: 04/32975 Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Deixe uma resposta